Dia do Pai

19 DE MARÇO
Dia do Pai: Cuidar com cuidado.

Etimologicamente, pai é uma palavra com origem no latim, “pater”, aquele que na Roma Antiga era o mais elevado estatuto familiar de quem é progenitor, o que evoca toda a importância, confirmada também na semântica, desta figura paternal dentro de um sistema familiar.

Contudo, atualmente, o conceito de pai é algo bastante mais complexo e amplo, sendo certo, porém, que não é só pelo laço biológico que se deve (re)construir, diariamente, um pai.

Um pai tem a função de amar e educar uma criança, procurando dar a melhor resposta às suas necessidades mais básicas, que vão para além do seu status quo físico e que se expandem até ao seu desenvolvimento, emocional, psicológico, social e cognitivo.
Neste sentido, Ser pai, é estar em (é ser!) uma (re)construção contínua entre cuidar e cuidado.
Dentro da literatura científica no domínio da Psicologia, o cuidado é conceptualizado como a tradução de um compromisso amplo de cuidar do outro, com o qual aprendemos a nos importar; está dependente das forças, desafios, dificuldades, necessidades, recursos e especificidades de cada fase do crescimento de um ser humano.
O compromisso é assim (re)construído durante todo o desenvolvimento vital em que cada filho contará que cada pai esteja predisposto para cuidar, combinando esperança, vontade, propósito, habilidade, fidelidade e, sobretudo, amor.

Assim, o cuidar (bem) de um filho será a confirmação da capacidade de um pai em manter esta atitude de cuidado para com o seu semelhante, estando envolvido e presente até no gesto mais simples e desde o primeiro momento.
Cuidar, é porventura, mais que um gesto momentâneo ou esporádico; é, antes, toda uma atitude de preocupação, responsabilidade e envolvimento afetivo para com o filho(a), numa durante todo o ciclo de vida entre uma pessoa que “cuida” e outra pessoa que, por sua vez, é merecedora desse cuidado.

Pai é cuidar com cuidado.
Pai é Amor.

Rui Moniz / Psicologo CDIJA