Dia da Escrita à Mão

Celebra-se, hoje, o Dia da Escrita à Mão, um evento anual recentemente criado, com o intuito de se comemorar a magia da palavra escrita. 
A escrita à mão compõe-se a partir de um conjunto de características individuais, onde o resultado se reveste de autenticidade. Facilmente reconhecemos a caligrafia de alguém que nos é próximo e, de alguma forma, parece existir maior proximidade na palavra escrita, quando esta é feita à mão. 
Como psicomotricista, encaro a expressão “escrita à mão” como se de uma figura de estilo se tratasse, onde se refere a parte, em vez do todo – no fundo, é a escrita com o corpo. A produção gráfica depende de toda uma ação consertada e harmoniosa de vários elementos do corpo – a postura, a preensão, o controlo do tónus muscular, a coordenação entre os movimentos oculares e manuais, a coordenação dos dedos, a orientação dos movimentos no espaço, entre outros. 
A aprendizagem da escrita na infância, na sua componente motora, assenta num conjunto de pré-requisitos, que serão facilitados com o investimento em atividades corporais. É importante a criança sentir e explorar materiais de diferentes características sensoriais, manipular diversos objetos, correr, saltar, rebolar, rastejar, brincar às escondidas – em suma: conhecer o seu corpo, melhorando a forma de se expressar através do mesmo e de utilizá-lo de modo consciente e funcional. 
Por último, reforço a importância de se “trazer o corpo” para as aprendizagens – um corpo que interage, que se move e que se comove, que incorpora vivências, e que veicula afetos, tão relevantes na significação das experiências. 

Marta Lima Santos
Psicomotricista